ESTAMOS NAS REDES SOCIAIS

  • White Facebook Icon
  • Branca Ícone Instagram

© INFECTO RIO 2020 - VII Congresso da Sociedade de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro

TRABALHOS CIENTÍFICOS

Prazo para envio de trabalhos: 11/06/2020

Confira abaixo as regras de confecção do seu resumo:

REGULAMENTO DAS APRESENTAÇÕES – PÔSTER e ORAL

As inscrições dos trabalhos só poderão ser realizadas através do website www.infectorio.com.br. Não serão aceitas outras vias de submissão de resumos.

Todos os trabalhos selecionados serão apresentados em pôsteres.

 

Os 5 melhores trabalhos serão aceitos para apresentação oral em sessão exclusiva durante o congresso. Haverá espaço para perguntas após cada apresentação. Ao final, será entregue o “Prêmio Adrelírio Rios” para cada um dos 5 apresentadores dos melhores trabalhos.

Abaixo estão discriminadas as normas para o envio dos RESUMOS.

 

Os trabalhos deverão ser redigidos em Língua Portuguesa. Para participantes estrangeiros serão aceitos trabalhos escritos em inglês. Só serão aceitos os trabalhos cujo autor principal e/ou apresentador esteja regularmente inscritos no congresso.

 

I. Normas para a confecção e submissão dos RESUMOS:

I.1. Os RESUMOS devem ter máximo de 2500 caracteres, excluindo-se título e as palavras-chaves. Colocar parágrafos apenas nas passagens de um tópico para outro.

 

I.2. Os RESUMOS deverão, obrigatoriamente, conter os seguintes tópicos: Título, Introdução/Objetivos, Materiais e Métodos, Resultados, Conclusões, palavras chaves (três ao todo, utilizando descritores do Index Medicus).

 

I.3. Os trabalhos deverão ser classificados por assunto em:

  • HIV/AIDS e outras ISTs

  • Hepatites virais

  • Arboviroses

  • Outras doenças virais

  • Tuberculose e outras Micobacterioses

  • Infecções congênitas e pediátricas

  • Infecções fúngicas

  • Infecções relacionadas à assistência à saúde / CCIH

  • Infecções relacionadas à imunossupressão

  • Doenças causadas por Protozoários e Helmintos

  • Doenças emergentes e reemergentes

  • Imunizações e Medicina de viagem

  • Animais peçonhentos

  • Infecções comunitárias

  • Miscelânea

 

I.4. Os trabalhos enviados já devem estar concluídos na época do seu envio, não se aceitando expressões como “A casuística será analisada e os resultados serão comentados”.

 

I.5. É rigorosamente proibido mencionar, diretamente ou indiretamente, o nome dos autores ou da instituição em que foi realizado o trabalho no corpo do resumo, sob pena de não ser aceito para avaliação.

 

I.6. Os trabalhos serão avaliados por uma Comissão Científica composta por vários membros. Os avaliadores só terão acesso ao arquivo contendo os títulos do trabalho e seu resumo, desconhecendo seus autores e instituição onde foi realizado.

 

I.7. A Comissão Científica do Congresso disponibilizará no website www.infectorio.com.br e comunicará via e-mail, ao autor principal qual o formato para a qual o trabalho foi selecionado para apresentação.

 

I.8. Os trabalhos devem ser enviados por via eletrônica, através de preenchimento dos formulários disponíveis no website do VI Congresso de Infectologia do Estado do Rio de Janeiro, impreterivelmente, até dia 11 de junho de 2020, às 23h59. Nenhum resumo será aceito após esta data, salvo se prolongada a data de submissão pela Comissão Científica.

 

I.9. Os resultados da aprovação estarão disponíveis no site do evento.

I.10. Qualquer vinculação comercial dos trabalhos e/ ou conflito de interesses deverão ser referidos através de preenchimento do quadro existente no formulário disponível no site.

I.11. Após o prazo de submissão encerrado, não será possível fazer alterações ou correções nos trabalhos.

 

II. Normas para a confecção e apresentação dos PÔSTERES:

II.1. Os pôsteres deverão vir prontos para serem fixados nos painéis com fita adesiva, ou possuírem corda de sustentação, para serem pendurados em ganchos disponíveis, a critério do expositor.

II.2. A medida do pôster deverá ser de, no máximo, 0,96m (horizontal) x 1,20m (vertical).

II.3. Título deverá ser o mesmo do resumo. Usar letras maiúsculas (caixa alta) de 3 cm de altura. Abaixo do título, com letras menores, colocar os nomes dos autores e a instituição.

II.4. Fazer legendas para figuras e tabelas. Apresentar Introdução, Objetivos, Materiais e Métodos, Resultados e Conclusões em seções separadas.

II.5.  Os termos que forem abreviados deverão ser transcritos por extenso na primeira citação, com a abreviatura entre parênteses.

 

II.6. O pôster deverá ficar exposto no dia determinado.

 

II.7. Solicitamos que os autores permaneçam junto aos pôsteres, no horário da programação reservado para a visita dos pôsteres, para responderem a questionamentos feitos pelos participantes do congresso.

 

II.8. Caso o pôster não seja retirado até o horário previsto, a Secretaria o retirará e a Comissão Organizadora não se responsabilizará por danos ou extravios.

III. Exemplo de RESUMO a ser seguido:

Introdução: A hepatite A é a causa mais comum de hepatite aguda no mundo. Sua incidência está classicamente associada a fatores como desenvolvimento econômico, saneamento e segurança hídrica. As vias fecal-oral e pessoa-pessoa são as mais importantes para sua transmissão. Em junho de 2017, a OMS emitiu um comunicado que destacava a ocorrência de surtos da doença concentrados em HSH em diversos países no último ano. Também foram relatados surtos isolados no Brasil predominando em HSH.

Objetivos: Realizar uma análise descritiva sobre a associação de fatores comportamentais e relato de hepatite aguda na população HSH.

Materiais e Métodos: Survey online com o objetivo de correlacionar fatores comportamentais com o relato de ter recebido diagnóstico de hepatite aguda nos últimos 12 meses. O link da enquete foi divulgado a partir de dezembro de 2017 em redes sociais.

Resultados: De 01/12/2017 a 24/05/2018, 863 indivíduos responderam à pesquisa, dos quais 38,4% eram do sexo masculino. Dentre esses, 51,7% haviam tido pelo menos uma relação sexual com homens nos últimos 12 meses. Neste subgrupo, 12,9% afirmaram terem recebido diagnóstico de hepatite aguda nos últimos 12 meses, contra 0,7% dos da população geral. Analisando comparativamente os HSH com e sem diagnóstico de hepatite aguda no último ano, encontramos diferenças nas seguintes variáveis, respectivamente: Relato de mais de 5 parceiros nos últimos 12 meses (77,2% e 37,6%); Relato de ter conhecimento de que pelo menos um parceiro apresentou hepatite no último ano (27,3% e 2%); Relato de ter feito sexo em locais de aglomeração como saunas, parques, banheiros públicos, boates, festas de sexo (90,9% e 58,4%); Relato de diagnóstico de outras ISTs no último ano (22,7% e 19,5%); Relato de uso de PrEP do HIV (13,6 e 9,4%); Relato de viagens para fora do estado (68 e 72%); e Relato de ter participado de eventos restritos ao público LGBT (59 e 28%).

Conclusões: O relato de ter apresentado hepatite aguda no último ano foi maior na população HSH, grupo este que também relatou maior quantidade de parceiros sexuais, contato sexual com parceiro que sabidamente apresentou hepatite, sexo em locais de aglomeração, participação em eventos LGBT e maior frequência de outras ISTs. Estes fatores também estão listados como de risco para a transmissão de hepatite A na literatura.